Saltar para o conteúdo principal
HOME
ATUALIDADE
MULTIMÉDIA
LIGAÇÕES
RESERVADO
INSTITUCIONAL
O nosso pós-troika foi trabalhado durante o momento em que a troika estava em Portugal 
 
 
O ministro da Defesa Nacional participou, em Bruxelas, na reunião do Conselho do Atlântico Norte, em que estiveram presentes ministros de Defesa de 28 países.

Em declarações aos jornalistas José Pedro Aguiar-Branco explicou que durante esta reunião houve um "sentimento uniforme" para "reforçar os orçamentos de Defesa, ainda mais agora que a Europa parece estar a ultrapassar de forma sustentável a crise que atravessou".

Quanto ao caso português em particular, o tutelar da pasta da Defesa Nacional, disse que "o nosso pós-'troika' foi trabalhado durante o momento em que a 'troika' lá estava [em Portugal] e por isso é que a reforma que apresentámos está em linha com o esforço que já vinha sendo feito anteriormente".

"O ministério da Defesa tem contribuído, como todos os outros ministérios, e nomeadamente os militares, para o esforço coletivo nacional que temos feito ao longo destes três anos, nós estivemos sempre na primeira linha da reforma, a reforma que estamos a executar permite ter ganhos de eficácia com orçamentos que se situam dentro daquilo que é possível Portugal gastar na área da Defesa", declarou.

José Pedro Aguiar-Branco referiu também que a "Reforma 2020", apresentada no decorrer desta legislatura, estabelece "uma métrica que permite maior capacidade operacional ao nível da intervenção das nossas Forças Armadas", com "uma lógica de valor orçamental que se situa nos 1,1% do PIB", podendo variar 0,1 pontos percentuais a mais ou a menos, consoante as condições orçamentais.

"Assim que haja condições de estabilidade do ponto de vista do que são as nossas contas públicas é essa a métrica e objetivo da reforma 2020", acrescentou o ministro da Defesa Nacional.

Relativamente à questão da Ucrânia, o ministro da Defesa português, referiu que este tema dominou grande parte das conversações em Bruxelas. Ainda sobre esta temática José Pedro Aguiar-Branco afirmou que "Portugal irá contribuir com seis aviões F-16" que irão fazer policiamento aéreo na zona do Báltico, durante o último trimestre do corrente ano.

 

Atualizado em: 04-06-2014 10:40 
QUEM SOMOS CONTACTOS MAPA DO SITIO
Desenvolvido por ATASA, Centro de Dados da Defesa/SG/MDN @ 2012 Defesa Nacional - Optimizado para Internet Explorer