Saltar para o conteúdo principal
HOME
ATUALIDADE
MULTIMÉDIA
LIGAÇÕES
RESERVADO
INSTITUCIONAL
“A partir de hoje passamos a falar do futuro dos Estaleiros” 
 
 
O Ministro da Defesa Nacional discursava hoje na cerimónia de assinatura do contrato de subconcessão dos terrenos e infraestruturas dos ENVC.

 

“A partir de hoje deixamos de falar do passado dos Estaleiros. Passamos a falar do futuro dos Estaleiros”, afirmou José Pedro Aguiar-Branco na cerimónia de assinatura de contrato de subconcessão do Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC), que decorreu hoje no Forte de S. Julião da Barra, em Oeiras.

“O caminho do governo foi outro. Foi o caminho da solução (…) e de procurar uma alternativa ao encerramento inevitável dos Estaleiros que permitisse manter a construção e reparação naval na região e o maior número de postos de trabalho possível”, frisou o Ministro da Defesa Nacional.

Considerando que “o Estado não tem de saber construir navios” e que “não é a solução para os ENVC”, Aguiar-Branco afirmou que “os Estaleiros podem trabalhar”, “sem o espartilho do Estado”, “com acesso a outras fontes de financiamento”, com “outra capacidade de investimento e de modernização tecnológica” e “acesso a outra carteira de clientes”.

Durante a sua intervenção, o Ministro da Defesa Nacional relembrou ainda que “nos últimos 12 anos, os ENVC foram acumulando passivo que atinge, nesta altura, os 270 milhões de euros” pelo que a assinatura deste contrato abre agora uma “nova oportunidade”.

Na cerimónia de assinatura estiveram também a Ministra de Estado e das Finanças, Maria Luís Albuquerque, o Presidente do Conselho de Administração da West Sea, Carlos Martins, e o Presidente da EMPORDEF, Vicente Ferreira.

A Ministra de Estado e das Finanças destacou, na sua intervenção, o “esforço e o empenho deste governo (…) para encontrar uma solução que garantisse a manutenção da construção naval na região e a salvaguarda de maior parte possível dos postos de trabalho”.

Para Maria Luís Albuquerque, a subconcessão dos ENVC é a solução que “melhor defende o interesse do País, da região e do sector da construção naval” e a que abre “novas e boas perspetivas para os trabalhadores dos ENVC”.

O Presidente do Conselho de Administração da West Sea referiu, por sua vez, que o objetivo da empresa continuará a ser a reparação e a construção naval “maioritariamente centralizada no apoio às plataformas de gás e petróleo” e espalhadas pelo mundo inteiro.

Carlos Martins afirmou ainda que pretende manter “pelo menos 400 postos de trabalho”, aproveitando o seu know-how para exportar navios semelhantes aos dois que foram entregues, recentemente à Armada portuguesa.

O Presidente da Conselho de Administração da EMPORDEF, Vicente Ferreira, cuja intervenção abriu a cerimónia, considerou que a assinatura do contrato de subconcessão dos ENVC, é “um passo muito importante” e que contribuirá para “a criação de riqueza” e para “a sustentabilidade industrial e social de uma região”.

 DISCURSO DO MINISTRO DA DEFESA NACIONAL

 VIDEO

 

 

Atualizado em: 13-01-2014 18:24 
QUEM SOMOS CONTACTOS MAPA DO SITIO
Desenvolvido por ATASA, Centro de Dados da Defesa/SG/MDN @ 2012 Defesa Nacional - Optimizado para Internet Explorer