Saltar para o conteúdo principal
HOME
ATUALIDADE
MULTIMÉDIA
LIGAÇÕES
RESERVADO
INSTITUCIONAL
Utentes do SNS vão poder ser operados no Hospital das Forças Armadas 
 
 
Os ministros da Defesa Nacional e da Saúde assinaram esta segunda-feira um protocolo de cooperação

Os ministros da Defesa Nacional e da Saúde assinaram esta segunda-feira um protocolo de cooperação que prevê a utilização do Hospital das Forças Armadas (HFAR) por utentes do Serviço Nacional de Saúde (SNS), designadamente, ao nível das cirurgias.

Na cerimónia – que decorreu no HFAR, em Lisboa – estiveram presentes, para além de José Azeredo Lopes e de Adalberto Campos Fernandes, o Chefe de Estado-Maior-General das Forças Armadas, Almirante António Silva Ribeiro, o Secretário de Estado da Defesa Nacional, Marcos Perestrello, e a Secretária de Estado da Saúde, Rosa Valente de Matos.

Durante a sua intervenção, Azeredo Lopes afirmou que “o subsistema de saúde militar deve ser preservado” e que “havendo capacidade sobrante que possa ser aproveitada pelos cidadãos em geral”, esta deverá ser disponibilizada pois ajudará o “próprio HFAR” a desenvolver-se “mais harmoniosamente” e “em escala”.

Antes de terminar, Azeredo Lopes reafirmou que a tutela desta instituição “está bem” no Estado-Maior-General das Forças Armadas e acrescentou que aguarda a proposta, para setembro, do Grupo de Trabalho responsável pela apresentação de um novo modelo do qual, certamente, resultará “um melhor HFAR”.

O Ministro da Saúde, por sua vez, relembrou que o Estado dispõe, atualmente, de “recursos muito escassos” e que “é pouco compreensível” que, a todo o momento, não seja possível juntar “capacidades, sinergias e competências” para “fazer melhor”.

Adalberto Campos Fernandes referiu que o Ministério da Saúde tem desencadeado, com o Ministério da Defesa Nacional e as Chefias Militares, iniciativas que os aproximam, como é o caso do Laboratório Militar.

Considerando que “faz todo o sentido” que o SNS se associe a outras instituições que prestam cuidados de saúde, como é o caso do HFAR, Campos Fernandes explicou que este protocolo, agora assinado, permitirá que se alargue a resposta ao nível da cirurgia, apoiando, desta forma, a redução das listas de espera.

O Ministro da Saúde referiu ainda que a cooperação entre as instituições da saúde “não se esgota na assistência” e deu como exemplos as áreas do ensino, da formação dos recursos e da investigação clínica.  

Atualizado em: 03-07-2018 10:24 
QUEM SOMOS CONTACTOS MAPA DO SITIO
Desenvolvido por ATASA, Centro de Dados da Defesa/SG/MDN @ 2012 Defesa Nacional - Optimizado para Internet Explorer