Saltar para o conteúdo principal
HOME
ATUALIDADE
MULTIMÉDIA
LIGAÇÕES
RESERVADO
INSTITUCIONAL
Ministro da Defesa Nacional apresenta Plano de Ação para ultrapassar os desafios da profissionalização da carreira militar 
 
 
Este Plano foi apresentado no Seminário “Serviço Militar: Escolher um Futuro”, no Teatro Thalia em Lisboa

“No seu conjunto, estas medidas abrem o caminho para uma nova atitude face à opção pela carreira militar, e à sua adequação às necessidades e desafios da defesa do século XXI”, afirmou o Ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho, na apresentação do Plano de Ação para a Profissionalização do Serviço Militar.

Este Plano foi apresentado no Seminário “Serviço Militar: Escolher um Futuro”, no Teatro Thalia em Lisboa, que esta sexta-feira se transformou num espaço de reflexão sobre as possibilidades de desenvolvimento e de consolidação do modelo de Profissionalização do Serviço Militar.

O futuro do serviço militar e, em particular, da profissionalização, é um dos maiores desafios atuais da Defesa Nacional. O processo de reflexão sobre os desafios e os problemas associados ao tema permitiram delinear propostas de solução e medidas de intervenção, que se traduziram nas trinta e quatro medidas deste Plano de Ação para a Profissionalização, “que juntamente com o Plano Setorial para a Igualdade, identifica caminhos para ultrapassar as dificuldades de atratividade, retenção e qualificação enfrentadas por cada um dos Ramos das Forças Armadas”, sublinhou o Ministro da Defesa Nacional, João Gomes Cravinho.

Este instrumento de política pública procura intervir sobre três eixos estratégicos – recrutar, reter e reinserir – e tornar a profissão militar mais atrativa para os jovens de hoje, aumentando assim o potencial de recrutamento das Forças Armadas. Procura também aumentar o tempo de permanência nas fileiras, proporcionando aos militares percursos escolares, formativos e profissionais coerentes que maximizem as suas competências. E, finalmente, facilitar a reinserção profissional, aumentando a sua empregabilidade.

Os problemas atuais, transversais também à generalidade dos países europeus, exigem, “em primeiro lugar, uma compreensão da natureza do fenómeno, e segundo, um conjunto de medidas adequadas, e é precisamente essa combinação binária da compreensão com a ação que hoje apresentamos”, afirmou o Ministro da Defesa Nacional, acrescentando que “a experiência militar não pode ser penalizadora para aqueles e aquelas que optam por um período nas Forças Armadas”.

No seu discurso, abordou também o “Estudo de Caracterização Sociodemográfica e de Satisfação Organizacional dos Militares do Regime de Contrato e de Voluntariado dos três ramos das Forças Armadas”, realizado pela Direção Geral de Recursos da Defesa Nacional entre 2016 e 2017, sob a coordenação científica da Professora Helena Carreiras, do ISCTE-IUL.

Os resultados, conjugados com os que resultaram de um outro estudo, “Os Jovens e as Forças Armadas, que se debruçou sobre a edição do Dia Nacional da Defesa de 2018, permitiram conhecer o contexto atual e identificar as principais dificuldades sentidas.

João Gomes Cravinho abordou algumas dessas dificuldades dividindo-as em três grandes áreas: “a primeira é que verificamos uma tendência clara de diminuição na capacidade de recrutamento, na capacidade de atratividade das Forças Armadas, e também a capacidade retenção, sobretudo dos efetivos em Regime de Voluntariado e Regime de Contrato”, afirmou.

A segunda área está relacionada com os desafios atuais inerentes às Forças Armadas. Como forma de dar resposta à inovação constante e às novas realidades, o Ministro salientou que são necessários recursos humanos mais qualificados e com formação ao longo de toda a carreira militar. “Nesta matéria estamos a dar passos para assegurar um sistema de acompanhamento e de monitorização dessas necessidades, e para ajustar os processos de recrutamento e qualificação das Forças Armadas”, constatou.

Existe também a necessidade de cuidar do futuro dos militares que pretendam regressar à vida civil. Essa é uma terceira dimensão, para a qual contribuirá o Acordo de Cooperação Interministerial para a Profissionalização, assinado pela Secretária da Defesa Nacional, Ana Santos Pinto, pelo Secretário de Estado do Emprego, Miguel Cabrita, e pela Secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão e que “procura assegurar que a formação ministrada aos militares durante a sua carreira é reconhecida como obedecendo a padrões de qualidade que possam ser um impulso nas suas carreiras civis depois de saírem das fileiras das Forças Armadas”.

“A possibilidade de os candidatos poderem experimentar o Serviço Militar durante algum tempo, sem compromisso” é uma das medidas do “mais emblemáticas e particularmente eficazes”, sublinhou João Gomes Cravinho, que destacou ainda a promoção do recrutamento assente em áreas funcionais e mais específicas, como a ciberdefesa, “cujo recrutamento queremos quadruplicar já em 2019 e multiplicar por dez até 2024”.

A criação da figura do tutor e do gestor de carreira, assim como o desenho de planos de carreira estão entre as trinta e quatro medidas do Plano, que tem um horizonte temporal de cinco anos e onde se destaca também a criação do Observatório do Serviço Militar e de um Sistema de Monitorização da Sustentabilidade da Profissionalização do Serviço Militar.

Este é um Plano abrangente, cuja implementação está já a decorrer, mas cujo sucesso depende daquele “que é o aspeto mais importante da equação: a relação de confiança entre os portugueses e as Forças Armadas, pois dependerá sempre dos portugueses a decisão de dedicarem a sua vida profissional à instituição militar”, sublinhou o Ministro da Defesa Nacional.

 DDN - Os Jovens e as Forças Armadas

Militares RV/RC: Caraterísticas e Perceções

Plano de Ação para a Profissionalização

 

Intervenção do Ministro da Defesa Nacional

 

Atualizado em: 08-05-2019 23:21 
QUEM SOMOS CONTACTOS MAPA DO SITIO
Desenvolvido por ATASA, Centro de Dados da Defesa/SG/MDN @ 2012 Defesa Nacional - Optimizado para Internet Explorer