Saltar para o conteúdo principal
HOME
ATUALIDADE
MULTIMÉDIA
LIGAÇÕES
GESTÃO
ÁREA RESERVADA
Marcos Perestrello abre colóquio da Comissão Portuguesa de História Militar 
 
 
Que decorreu no Palácio da Independência.

O Secretário de Estado da Defesa Nacional, Marcos Perestrello, presidiu, no passado dia 6 de novembro, à sessão de abertura do Colóquio de História Militar “Portugal 1916-18, da guerra à paz”, que decorreu no Palácio da Independência.

Durante a sessão de abertura, entregou o ‘Prémio Defesa Nacional’ ex aequo a José Piçarra pelo trabalho “O Galeão Português e o Desenvolvimento das Marinhas Oceânicas 1518-1550”, e a Paulo Mesquita Dias pela obra “A Conquista de Arzila pelos Portugueses 1471”, e a menção honrosa a Carlos da Silveira Gonçalves pelo trabalho "Adriano de Sousa Lopes (1879-1944). Um pintor na Grande Guerra".

“Enquanto decisores políticos temos a obrigação de enfatizar que a utilidade de Forças Armadas, enquanto instituição militar, bem preparadas e capazes é fundamental para que a Humanidade prevaleça sobre o Massacre. Por essa razão não posso deixar de dar uma palavra de apreço também para os ilustres oradores deste colóquio, que através da sua análise e olhar crítico honram a história contemporânea portuguesa, sublinhando naturalmente a atualidade e vitalidade dos temas que irão aqui ser abordados”, afirmou Marcos Perestrello.

O Secretário de Estado da Defesa sublinhou a importância do conhecimento histórico para a política de Defesa Nacional e deste colóquio dedicado à Grande Guerra uma vez que, “importa continuar a aprofundar e relembrar, pois interiorizando-se os riscos, as circunstâncias e as contingências que conduziram a um grande conflito militar estaremos certamente em melhores condições de garantir a manutenção da Paz”.

Sobre a paz, fez questão de recordar que esta “não é simplesmente a ausência de guerra, mas antes de mais uma condição de vida na qual todos podemos desfrutar da tolerância e do respeito”. “Nascendo as guerras no espírito dos Homens, é no espírito dos Homens que devem ser erguidos os baluartes da paz”, afirmou Marcos Perestrello citando o preâmbulo constitutivo da UNESCO.

O mote para o XXVI colóquio foi sugerido pela Comissão Coordenadora das Evocações do Centenário da I Guerra Mundial, que desde 2014 fomenta e dinamiza iniciativas que contribuam para a reflexão e o aprofundamento de conhecimentos da Grande Guerra.

Atualizado em: 13-11-2017 16:56 
QUEM SOMOS CONTACTOS MAPA DO SITIO
Desenvolvido por ATASA, Centro de Dados da Defesa/SG/MDN @ 2012 Defesa Nacional - Optimizado para Internet Explorer