Saltar para o conteúdo principal
HOME
ATUALIDADE
MULTIMÉDIA
LIGAÇÕES
RESERVADO
INSTITUCIONAL
Governo, Municípios e escolas aliam-se para levar a defesa nacional aos mais jovens 
 
 
O Referencial de Educação para a Segurança, a Defesa e a Paz alarga-se a mais vinte e três municípios, desta feita no centro do país

"Este é cada vez mais um referencial de âmbito nacional", foi assim que o Ministro da Defesa Nacional definiu o momento em que, esta segunda-feira, mais vinte e três municípios assinaram o protocolo-quadro de implementação do Referencial para a Segurança, a Defesa e a Paz. Depois dos dez municípios do Grande Porto e da Grande Lisboa, terem aderido ao protocolo, o Referencial continua a alargar os seus parceiros, desta vez no Distrito de Viseu. 

 

O Ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, o Ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues e o Secretário de Estado das Autarquias Locais, Carlos Miguel, em representação do Ministro-Adjunto, juntaram-se aos autarcas no Regimento de Infantaria nº 14, a primeira unidade militar a ser escolhida como palco de assinatura dos protocolos.

 

Visivelmente satisfeito por dar mais um passo na ligação dos cidadãos à Defesa Nacional, o Ministro da Deesa reiterou a importância desta iniciativa pela "ligação que estabelece com os jovens e as crianças". Para Azeredo Lopes, "ninguém pode exigir que um adulto saiba ou tenha noções ou uma cultura de defesa e de segurança viradas para a paz, se ninguém em nenhum momento do processo educativo lho transmitir".

 

Referindo que esta temática tem sido um dos pontos de debate das reuniões que tem com os seus homónimos europeus, o titular da pasta da Defesa frisou: "Ou educamos para a cidadania, ou educamos melhor para estes valores, ou arriscamo-nos a pagar um preço muito elevado, nomeadamente a continuação de processos de violência e de violência transnacional”.

 

Neste projeto "ambicioso e complexo", o Ministro da Defesa Nacional destacou a articulação de todos os parceiros, e frisou que o êxito desta iniciativa terá reflexos muito importantes na valorização do "papel ativo e determinante" das Forças Armadas, contribuindo para que estas matérias "sejam de todos e para todos". 

 

A mesma linha de raciocínio seguiu o Ministro da Educação, frisando que este referencial é um "reflexo efetivo e continuado"  que influenciará as "práticas efetivas do quotidiano das escolas" e que se assume como fundamental na prossecução da "educação para a cidadania". "A educação é com certeza condição essencial para que a segurança e paz possam existir", acrescentou Tiago Brandão Rodrigues.

 

O Secretário de Estado das Autarquias, por sua vez, salientou que este referencial se assume como um reflexo da "descentralização de competências", uma das premissas de ação deste governo.  Envolvendo a administração local neste tipo de iniciativas, o governo "fala assim a uma só voz", numa aposta que Carlos Daniel qualificou como "complexa" mas "consciente e saborosa", que irá gerar mais impacto junto da população, rumo a um fim comum: "a cidadania para a paz”.

 

No final do evento, em declarações aos jornalistas, Azeredo Lopes reafirmou que este referencial não "pretende formatar gerações", mas sim "reparar uma lacuna" existente no sistema educativo, congregando a importância do poder local, recorrendo aos "atores educativos" e reintroduzindo a segurança, a defesa e a paz como "valores fundamentais de cidadania". Uma "relação virtuosa" entre os vários parceiros, onde o Ministério da Defesa Nacional funcionará como "impulsionador e fornecedor de conteúdos". 

 

Antes da cerimónia de assinatura do referencial, os governantes participaram numa visita à Escola Básica Infante Dom Henrique, em Viseu, uma das escolas que no próximo ano letivo adotará o protocolo.

 

O Referencial de Educação para a Segurança a Defesa e a Paz pretende envolver e aproximar os cidadãos da Defesa Nacional, focando-se nas faixas etárias mais novas. Os protocolos assinados têm a duração de três anos, onde os municípios e os respetivos agrupamentos de escolas se comprometem a planear e executar um conjunto de atividades que levem os jovens e as crianças a pensar a Defesa Nacional. O Ministro da Defesa assegurou que o "périplo" pelo país irá continuar, “até unir o país todo”.

 

Atualizado em: 01-02-2017 01:26 
QUEM SOMOS CONTACTOS MAPA DO SITIO
Desenvolvido por ATASA, Centro de Dados da Defesa/SG/MDN @ 2012 Defesa Nacional - Optimizado para Internet Explorer