Saltar para o conteúdo principal
HOME
ATUALIDADE
MULTIMÉDIA
LIGAÇÕES
RESERVADO
INSTITUCIONAL
Defesa Nacional comemora o Dia Internacional da Mulher destacando as pioneiras 
 
 
“O universo da Defesa Nacional foi, durante séculos, um exclusivo masculino, associando a guerra à masculinidade", assumiu o Ministro da Defesa Nacional na comemoração do Dia Internacional da Mulher
 

“O universo da Defesa Nacional foi, durante séculos, um exclusivo masculino, associando a guerra à masculinidade. Desconstruir esta ligação deve fazer parte da nossa missão”, assumiu o Ministro da Defesa Nacional João Gomes Cravinho na comemoração do Dia Internacional da Mulher.

A comemoração procurou homenagear as mulheres que atualmente fazem parte da Defesa Nacional e as pioneiras da Marinha, do Exército e da Força Aérea. As suas experiências foram partilhadas em vídeo e também pessoalmente durante o evento.

A Brigadeiro-General Regina Mateus, da Força Aérea, a Sargento-Ajudante Alexandra Serrano Rosa, do Exército, e a Primeiro-Marinheiro Noémie Freire, da Marinha, partilharam o seu testemunho enquanto pioneiras nas suas áreas num debate moderado por José Alberto Carvalho.

Também três militares destacadas na Colômbia, Afeganistão e na missão Mar Aberto partilharam as motivações para ingressar nas Forças Armadas e como entendem o seu papel enquanto mulheres e militares numa conversa gravada com a Secretária de Estado da Defesa, Ana Santos Pinto.

No final do debate, José Alberto Carvalho destacou “as 4 ou 5 expressões comuns a todos os testemunhos e a todo o sentimento que deles emana: orgulho, superação, paixão, determinação, e um sentido de recompensa muito significativo”.

Destacando que o número de mulheres nas Forças Armadas tem-se mantido ligeiramente acima dos 10%, o Ministro afirmou que pretende ver esta percentagem aumentar, uma responsabilidade que considerou de todos. “Vamos trabalhar para entender o que leva as jovens mulheres a ingressar na carreira militar, e também o que as afasta. Queremos perceber porque abandonam a carreira militar, quando isso acontece, e quais as expectativas que trazem quando iniciam funções”, afirmou.

O Ministro afirmou ainda que a Defesa Nacional dará o seu contributo para a sociedade que pretendemos para o país, “a democracia significa igualdade entre todos os cidadãos, independentemente do sexo, raça, etnia, religião ou orientação sexual, e a Defesa Nacional está comprometida com esta visão”.

Plano Setorial de Defesa apresentado em dia simbólico

Neste dia simbólico, João Gomes Cravinho apresentou o Plano Setorial da Defesa Nacional para a Igualdade para 2019-2021. Nas palavras do Ministro, trata-se de uma ferramenta central para criar condições para o aumento das mulheres nas Forças Armada, “os números, por si só, serão insuficientes se não forem acompanhados de medidas concretas que visem apoiar as mulheres na abertura de novas perspetivas de carreira e realização pessoal no contexto da Defesa Nacional”.

O Plano identifica três eixos de atuação associados a três grandes objetivos - Igualdade, Conciliação e Formação, e estabelece metas a alcançar nos próximos três anos.

De modo a cumprir os objetivos nacionais e as convenções internacionais subscritas nesta matéria, o Plano está alinhado com a Resolução 1325 do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre Mulheres, Paz e Segurança; com a Estratégia Nacional para a Igualdade e Não Discriminação e com o Programa 3 em Linha – Programa para a Conciliação da Vida Profissional, Pessoal e Familiar.

O primeiro eixo, da Igualdade, tem como objetivo garantir a integração do combate à discriminação em razão do sexo e a promoção da igualdade nas políticas e nas ações a todos os níveis da Defesa Nacional. João Gomes Cravinho destacou algumas das medidas deste Eixo, “a criação de gender advisors (…) que funcionarão junto das Chefias Militares; teremos também um Gabinete da Igualdade no MDN para garantir o acompanhamento constante e uma promoção ativa destas medidas”.

O segundo eixo, da Conciliação, procura garantir as condições para a conciliação entre a vida profissional, pessoal e familiar, quer para Mulheres, quer para Homens. O terceiro eixo, da Formação, procura assegurar uma formação livre de estereótipos de género para assim promover a Igualdade em todos os níveis de educação e formação da Defesa Nacional.

Com as medidas definidas em cada um dos eixos, a Defesa Nacional procura aumentar os números do recrutamento e da retenção, problemas identificados pelo Ministro. “A atratividade de uma carreira na Defesa Nacional, no nosso entender, passa pelo cuidado com aqueles que a integram, homens e mulheres, e insuficiente atenção tem sido dedicada até agora às especificidades das mulheres”, destacou o João Gomes Cravinho.

Condecoração das primeiras Enfermeiras Paraquedistas

No encerramento da cerimónia dedicada ao Dia Internacional da Mulher, o Ministro da Defesa condecorou as primeiras Enfermeiras Paraquedistas, conhecidas como “Seis Marias”, incorporadas nas Forças Armadas em maio de 1961.

A medalha da Defesa Nacional destina-se a galardoar militares e civis que tenham relevado elevada competência no âmbito técnico-profissional, extraordinário desempenho e relevantes qualidades pessoais contribuindo significativamente para a eficiência, prestígio e cumprimento da missão do Ministério da Defesa Nacional.

Receberam a medalha da Defesa Nacional, de 1.ª classe, as Enfermeiras Paraquedistas Maria Arminda Lopes Pereira Santos, a única a estar presente na cerimónia, a título póstumo Maria Zulmira André e Maria Nazaré Andrade, e ainda Maria do Céu Vidigal, Maria Ivone dos Reis e Maria de Lourdes Rodrigues, que se fizeram representar pelos familiares.

O Ministro frisou o caráter pioneiro das primeiras mulheres portuguesas a ser treinadas e enviadas para situações de conflito: “numa época em que a sociedade portuguesa era extremamente conservadora, entraram no mundo exclusivamente masculino das Forças Armadas e vestiram o uniforme militar que até então era reservado apenas aos homens”.

Estiveram presentes na cerimónia a Ministra da Presidência e Modernização Administrativa, Mariana Vieira da Silva, a Secretária de Estado para a Cidadania e a Igualdade, Rosa Monteiro, a Secretária de Estado da Defesa Nacional, Ana Santos Pinto e a Deputada Maria Manuel Leitão Marques.

Atualizado em: 10-04-2019 12:12 
QUEM SOMOS CONTACTOS MAPA DO SITIO
Desenvolvido por ATASA, Centro de Dados da Defesa/SG/MDN @ 2012 Defesa Nacional - Optimizado para Internet Explorer