Saltar para o conteúdo principal
HOME
ATUALIDADE
MULTIMÉDIA
LIGAÇÕES
RESERVADO
INSTITUCIONAL
“Não há qualquer paradoxo a associação entre Forças Armadas e paz” 
 
 
O ministro da Defesa Nacional presidiu à sessão de abertura do Seminário “Paz e futuro da humanidade”, na Academia Militar, Amadora.

“Para mim não é qualquer paradoxo a associação que se estabelece entre Forças Armadas e paz”, afirmou o Ministro da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes, durante a sessão de abertura do Seminário ‘Paz e futuro da humanidade, na passada quarta-feira, no auditório do Campus da Amadora, da Academia Militar, na qual salientou a necessidade de afirmar uma relação cada vez mais “clara” entre estes dois conceitos.

“Portugal surge como fornecedor de paz e de segurança”, declarou o ministro, destacando o papel de Portugal na proteção e segurança da população civil nos vários Teatros de Operações, num mundo onde os “sinais de ambiguidade são cada vez maiores” e é cada vez mais difícil “definir os limites da atuação das Forças Armadas”.

Azeredo Lopes alertou para a utilização que tem sido feita, muitas vezes “desastrosa”, de determinados conceitos “como legítima defesa contra o terrorismo”, “intervenção humanitária” ou “a distinção entre combatentes legítimos e ilegítimos”.

“Estamos habituados a que uns sejam bons e outros maus. Aquilo para que não estamos preparados é para perceber que podemos ter no terreno só maus, desde o governo à oposição”, referiu Azeredo Lopes, acrescentando que a mudança de paradigma tem de começar a partir de cima, de quem chefia, de quem lidera as nações.

O Seminário, organizado pelo Ordinariato Castrense, contou ainda com a participação da ministra da Administração Interna, Constança Urbano de Sousa, do chefe de Estado-Maior do Exército, Rovisco Duarte e do bispo das Forças Armadas e de Segurança, D. Manuel Linda.

A iniciativa insere-se no âmbito da 36ª Peregrinação Militar Nacional a Fátima, que decorre nos dias 1 e 2 de junho e teve como objetivo “desenvolver e aprofundar uma específica mentalidade de paz” entre os agentes e “comprometer pessoas e instituições a favor de uma nova ordem internacional, edificada a partir dos direitos humanos e dos valores da paz”.

 

Atualizado em: 11-08-2017 20:42 
QUEM SOMOS CONTACTOS MAPA DO SITIO
Desenvolvido por ATASA, Centro de Dados da Defesa/SG/MDN @ 2012 Defesa Nacional - Optimizado para Internet Explorer